Últimas Notícias

ONU cobra de Angola responsabilidade sobre violações envolvendo imigrantes congoleses

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Organização das Nações Unidas (ONU) informou hoje (24) que mais de 3.700 imigrantes ilegais do Congo – a maioria mulheres e crianças – foram vítimas de abusos sexuais cometidos por integrantes das forças de segurança de Angola em 2011. Os dados foram apresentados pela representante especial para a Violência Sexual em Conflitos, Margot Wallstrom, às vésperas da visita do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a Angola.

"[O governo de Angola] particularmente preocupado com os relatos de alegados abusos de direitos humanos, incluindo violência sexual durante as expulsões, em particular contra mulheres e crianças, cometidos por membros das forças de segurança angolanas", disse Ki-moon.

Segundo o secretário-geral, as expulsões ocorreram de forma isolada em áreas e postos de fronteira entre Angola e o Congo, nas regiões da província angolana da Lunda Norte e do Kasai Ocidental (no Congo). No total, o número de expulsões é estimado em 71.879 pessoas. O governo de Angola se comprometeu a facilitar o acesso de missões da ONU e da Organização Internacional de Migrações às áreas consideradas mais delicadas.

O relatório é relativo ao período de janeiro a outubro de 2011 e relata que 3.768 pessoas foram expulsas – incluindo 998 crianças – vítimas de "vários tipos de violência sexual". Os depoimentos contam ainda que houve coação sexual, espancamentos, privação de alimentos e água.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa//Edição: Graça Adjuto

Fonte: Agência Brasil – Internacional

Como citar e referenciar este artigo:
NOTÍCIAS,. ONU cobra de Angola responsabilidade sobre violações envolvendo imigrantes congoleses. Florianópolis: Portal Jurídico Investidura, 2012. Disponível em: https://investidura.com.br/noticias/ultimas-noticias/onu-cobra-de-angola-responsabilidade-sobre-violacoes-envolvendo-imigrantes-congoleses/ Acesso em: 19 jun. 2024
Sair da versão mobile