Sociedade

Coisas do Brasil

 

 

O fato de um metalúrgico, sem graduação acadêmica, ter chegado ao posto mais alto do governo de uma nação é coisa do Brasil!

 

De outras eras, mas de nosso país também, é coisa da qual pouca gente sabe: parte do ouro daqui levado, construiria uma ponte até a Inglaterra, que tais toneladas abocanhou.

 

Expressou-se bem FHC quando disse: “estamos dando show de democracia”, de fato, aconteceu tal qual uma maioria, sem precedentes, quis. Um mundo de esperanças inunda os corações, mas é bom que ninguém se esqueça de que geralmente, “todo santo é de barro, logo, segure-se forte o andor”.

 

Talvez seja exatamente pelo clima que o envolve, ou tocado pelos bons ventos que o impelem que o homem, que conduziu por todos estes anos, seu partido, o PT, por agridoces caminhos, teve a coragem de compor um governo de tantos matizes e colocar no comando dos ministérios, gente de diversas correntes. No comando do Banco Central, um banqueiro cujos “companheiros” tantas vezes, o próprio Lula criticou. Até um dos seus concorrentes, mas também suas aliadas, Benedita e Marina da Silva, no comando de pastas cujas competências ambas revelaram dominar. Acrescente-se um detalhe: é a primeira vez na história da república que tantas mulheres estão ministras.

 

A vitória de Lula já se consolidou como símbolo do poder da vontade. Prova de que quem tem um ideal e o persegue, é obstinado, não abandona a luta e acaba chegando “lá”!

 

Neste clima, ou disposição das cartas para o jogo, há quem se revele intransigentemente obstinada (ou como se quiser qualificar), em permanecer adepta, não abrindo mão dos velhos princípios que sempre caracterizaram os impulsos no nascimento, a vida e a atuação do PT. Falo da Senadora Heloisa Helena, das Alagoas.

 

Nada menos: não participou da campanha de Lula, continuou recusando os acordos feitos, mesmo “em nome da governabilidade”. Ausentou-se, para não votar discordando, da sessão que indicou Henrique Meirelles, presidente do BC.

 

Sinceramente, torço para que a Senadora continue mesmo entre lágrimas, como mais de uma vez já foi vista, resistindo. Ela se pode constituir no esteio que servirá para que o PT não se olvide o porquê de sua existência.

 

Mas temo e fico na expectativa do que lhe pode suceder, haverá quem a entenda até o fim? Heloisa Helena logrará ser reeleita Senadora da República para um novo mandato? Importa que sim, que desta feita a história não se repita, quando ninguém nega o valor de uma heroína de tal porte, mas marginalizam-na.

 

Como são bonitos os funerais dos heróis, tocam-se trombetas, bandeiras cobrem-lhes o ataúde. Personalidades decantam-lhes as virtudes, lamentam profundamente que se tenham ido, as vezes, muito cedo. Decreta-se luto oficial. O Pavilhão Nacional tremula aquém do topo, conforme o costume. Mas…

 

E daí? Morreu! Para sua campa, apenas uma palavra ainda soa como a mais própria: jaz!

 

 

* Marlusse Pestana Daher, Promotora de Justiça, Ex-Dirigente do Centro de Apoio do Meio Ambiente do Ministério Público do ES; membro da Academia Feminina Espírito-santense de Letras, Conselheira da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória – ES, Produtora e apresentadora do Programa “Cinco Minutos com Maria” na Rádio América de Vitória – ES; escritora e poetisa, Especialista em Direito Penal e Processual Penal, em Direito Civil e Processual Civil, Mestra em Direitos e Garantias Fundamentais.

Como citar e referenciar este artigo:
DAHER, Marlusse Pestana. Coisas do Brasil. Florianópolis: Portal Jurídico Investidura, 2009. Disponível em: https://investidura.com.br/artigos/sociedade/coisas-do-brasil/ Acesso em: 15 abr. 2024
Sair da versão mobile