TRF4

TRF4, 00015 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2006.04.00.008982-7/RS, Relator Juíza Federal Eloy Bernst Justo , Julgado em 11/28/2007

—————————————————————-

00015 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2006.04.00.008982-7/RS

RELATORA : Juíza Federal ELOY BERNST JUSTO

AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL)

ADVOGADO : Simone Anacleto Lopes

AGRAVADO : IND/ DE CONSERVAS ALVA LTDA/

EMENTA

AGRAVO DE INSTRUMENTO – EXECUÇÃO FISCAL – REDIRECIONAMENTO CONTRA O SÓCIO – INADIMPLEMENTO

DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA – DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA EMPRESA.

1. A responsabilidade pessoal dos dirigentes de pessoas jurídicas, prevista no art. 135 do CTN, não é objetiva, exigindo a

configuração de alguma das hipóteses fáticas ali descritas, não cabendo o redirecionamento da eução contra eles com base no

simples inadimplemento de tributos.

2. A dissolução irregular da pessoa jurídica vem sendo admitida pela jurisprudência como fundamento da responsabilidade pessoal

do sócio-gerente que a administrava quando de sua extinção de fato, mas não tem suporte no art. 135 do CTN, que só cuida da

responsabilidade por obrigações tributárias resultantes de atos praticados com esso de poderes ou infração de lei, contrato social

ou estatutos”, não abrangendo, portanto, ações ou omissões posteriores ao nascimento da obrigação tributária.

3. A dissolução irregular da pessoa jurídica pode atrair a responsabilidade de seu administrador com fundamento no art. 10 do

Decreto nº 3.708/19, segundo o qual “os sócios gerentes ou que derem o nome à firma não respondem pessoalmente pelas

obrigações contraídas em nome da sociedade, mas respondem para com esta e para com terceiros solidaria e ilimitadamente pelo

esso de mandato e pelos atos praticados com violação do contrato ou da lei”.

4. É dever da pessoa jurídica, em hipótese de extinção, promover sua regular liquidação de acordo com os parâmetros legais, que

protegem os interesses dos sócios e dos credores. A ausência dessas formalidades autoriza presumir que ocorreu dissipação dos bens

da sociedade, em prejuízo dos credores, justificando o direcionamento da eução contra o administrador omisso.

5. Presente efetiva comprovação de que a empresa eutada tenha encerrado irregularmente suas atividades, é cabível o

redirecionamento da eução contra seu sócio com base nessa alegação.

ACÓRDÃO

___________________

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª
Região, por unanimidade, dar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.
Porto Alegre, 20 de novembro de 2007.

Como citar e referenciar este artigo:
JURISPRUDÊNCIAS,. TRF4, 00015 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2006.04.00.008982-7/RS, Relator Juíza Federal Eloy Bernst Justo , Julgado em 11/28/2007. Florianópolis: Portal Jurídico Investidura, 2010. Disponível em: https://investidura.com.br/jurisprudencias/trf4/trf4-00015-agravo-de-instrumento-no-2006-04-00-008982-7-rs-relator-juiza-federal-eloy-bernst-justo-julgado-em-11-28-2007/ Acesso em: 17 jun. 2024