Modelo de Recurso contra Auto de Infração de Trânsito - nulidade da notificação - falta dos requisitos legais | Portal Jur

Modelo de Recurso contra Auto de Infração de Trânsito - nulidade da notificação - falta dos requisitos legais

Excelentíssimo Senhor Presidente da JARI

Prefeitura Municipal de ___________

Rua ___________, nº ____

___________ - ___

Recurso Contra Auto de Infração De Trânsito

___________, brasileiro, solteiro, advogado inscrito na OAB/RS sob o nº _______, residente e domiciliado na Rua ___________ nº ____, apto ____, Bairro ___________, em ___________, ___, inscrito no CPF sob o n. ___________ e portador da Carteira de Identidade - RG sob o n. ___________, vem respeitosamente a presença de V. Sª apresentar RECURSO contra AUTO DE INFRAÇÃO DE TRÂNSITO série ___________ nos termos dos Arts. 285 e 286 do Código de Trânsito Brasileiro pelos fatos e fundamentos que a seguir passa a expor:

DOS FATOS

1. O Recorrente recebeu um auto de infração cominando penalidade de multa, pelo qual ela estaria infringindo a Lei 9.503 de 23 de setembro de 1997 denominada Código de Trânsito Brasileiro.

2. No entanto, a autoridade de trânsito, no seu dever de fiscalizar, acabou não cumprindo as formalidades necessárias e indispensáveis para revestir de legalidade o seu poder de polícia, viciando assim, o seu ato administrativo de nulidade absoluta conforme descrição a seguir,

3. Isto porque os motoristas não podem ficar a mercê de serem acusados de cometer infrações, sem que seja seguido e praticado o rito procedimental instituído para a fiscalização e autuação, sob pena de que sejam cometidas, diariamente, injustiças legais.

DA IRREGULARIDADE DO AUTO DE INFRAÇÃO

4. O ato administrativo necessita de requisitos para a sua formação, quais sejam, competência, finalidade, forma, motivo e objeto.

5. Seguindo estes princípios o CONTRAN editou a resolução nº 01/98, na qual estabelece a obrigatoriedade de adoção do padrão de blocos de informações com referência mínima na definição e confecção dos autos de infração.

6. Conforme o auto de infração em anexo verifica-se que tais informações não seguem o estabelecido pelo CONTRAN.

7. Inicialmente, o bloco 2 deveria determinar a identificação do veículo infrator, em três campos apenas, informando a UF, a placa e o município; no entanto, verificou-se, no bloco 2, da notificação recebida pelo Recorrente, seis campos e informações desnecessárias demonstrando, assim, a sua desconformidade com a previsão legal.

8. O bloco 4, que deveria conter a identificação do infrator, não o faz, em desatenção às imprescindíveis informações obrigatórias.

9. Também, o bloco 5 está em desacordo com a resolução 01/98, eis que consta neste bloco, destinado a identificação do local do cometimento da infração um código que não se relacionada com nenhum dado existente na notificação de infração de trânsito, bem como, novamente possui campos em demasia e com informações desencontradas.

10. Por derradeiro, o bloco 6, onde deveria constar a tipificação da infração nada informa.

11. No direito administrativo, é regra para os atos da administração pública, sempre observar os procedimentos especiais e as formas legais para que se expressem validamente.

12. O revestimento exteriorizador do ato administrativo constitui requisito vinculado e imprescindível à sua perfeição, caso contrário o ato é nulo.

14. Portanto, como pode ser o administrado compelido a pagar uma multa, se a própria administração que tem obrigação de revestir seus atos pelos princípios que orientam o ato administrativo não o faz?

13. O mestre em direito administrativo brasileiro Hely Lopes Meireles, que sustenta as argumentações feitas, em seu clássico Direito Administrativo Brasileiro ( págs.129,178,179), foi enfático ao afirmar:

"A inexistência de forma induz a inexistência do ato administrativo."

E segue:

"A Administração Pública, como instituição destinada a realizar o direito e a propiciar o bem-comum, não pode agir fora das normas jurídicas e da moral administrativa, nem relegar os fins sociais a que sua ação se dirige. Se, por erro, culpa, dolo ou interesses escusos de seus agentes, a atividade do Poder Público se desgarra da lei, se divorcia da moral, ou se desvia do bem comum, é dever da Administração invalidar, espontaneamente ou mediante provocação, o próprio ato, contrário à sua finalidade, por inoportuno, inconveniente, imoral ou ilegal. Se não o fizer a tempo poderá o interessado recorrer às vias judiciárias."

15. Com esta linha de interpretação, têm a JARI do DAER/RS e as instâncias superiores reconhecido a nulidade das referidas notificações pela falta dos requisitos legais, ordenando unanimemente o cancelamento das autuações.

ISTO POSTO, requer:

a) Seja acolhido o presente Recurso e remetido para a JARI - Prefeitura Municipal de ___________, dentro do prazo legal e com base na Lei nº 9503/97, para, depois de apreciado e julgado, seja considerado totalmente procedente a fim de cancelar o Auto de Infração de Trânsito série ___________ e as penalidades dele decorrentes;

b) Caso não julgado o presente recurso no prazo legal, seja-lhe concedido o efeito suspensivo, forte no art. 285, § 3º do CTB.

Espera Deferimento.

___________, ___ de ___________ de 20__.

___________

OAB/


Como referenciar este conteúdo

MODELO,. Modelo de Recurso contra Auto de Infração de Trânsito - nulidade da notificação - falta dos requisitos legais. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 30 Set. 2013. Disponível em: investidura.com.br/modelos/peticoes/administrativo/308824-modelo-de-recurso-contra-auto-de-infracao-de-transito-nulidade-da-notificacao-falta-dos-requisitos-legais. Acesso em: 30 Set. 2020

 

Receba nossos e-mails e infoprodutos jurídicos

 

 

ENVIE SEU ARTIGO