Lucíola - José de Alencar

Resenha de Obra de José de Alencar - Lucíola

 

 

Referência Bibliográfica

 

ALENCAR, José de; 1829-1877. LUCÍOLA; livro virtual disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000035.pdf

 

Biografia do Autor

 

José de Alencar nasceu em 1 de maio de 1829, no bairro de Messejana, na cidade de Fortaleza, aonde foi criado. Era filho de senador bastante influente. Aos 11 anos de idade mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, aonde passou a estudar no Colégio de Instrução Elementar. Em 1844 passou a freqüentar cursos preparatórios à Faculdade de Direito de São Paulo, a qual começou em 1846. Formou-se em Direito em  1850. Foi jornalista, político, orador, romancista, crítico, cronista, polemista e dramaturgo brasileiro. Mas é com a literatura que melhor se identifica. Foi também Ministro da Justiça no período de 1868 a 1870. Morreu no Rio de Janeiro em 12 de dezembro de 1877.

 

Síntese do Conteúdo

 

Lucíola faz parte dos romances urbanos de José de Alencar. É o primeiro da trilogia que ele próprio denominou de perfis de mulheres. Os personagens centrais da estória são Paulo, narrador e protagonista, e Lucíola, a cortesã por quem Paulo se apaixona. Pano de fundo da estória é o Rio de Janeiro de fins do século XIX, dentro do contexto da vida burguesa da época, respeitando o romantismo vigente à época.

 

Paulo Silva é o personagem narrador, natural de Pernambuco, que chega ao Rio de Janeiro aos 25 anos, com ânimo de lá estabelecer-se. Apenas chegado ao Rio de Janeiro, Paulo sai a passeio com um amigo e vê Lúcia, linda jovem, passar num carro. Dias após, em uma festa com outro amigo, vê Lúcia que novamente se faz presente. Fica sabendo através desse amigo, tratar-se da mais requisitada e mais requintada cortesã. Porém aos olhos de Paulo, por trás da cortesã, existia uma expressão cândida de rosto e a modéstia de gesto.

 

Decorrido mais ou menos um mês da chegada de Paulo, esse decide ir encontrar Lúcia. Após esse encontro, muitos outros se sucederam e Paulo passa a viver com Lúcia. O romance entre ds dois dura aproximadamente seis meses.

 

Apreciação da Obra

 

Num primeiro momento conclui-se por uma obra romântica banal, que trata da paixão de um homem por uma linda cortesã da época do Império.

 

Porém uma análise mais detalhada leva-nos a conclusões diferentes. O amor é sim, a mola propulsora do desenrolar dos fatos. Trata-se de um amor mais profundo, mais sutil, que foge às convenções familiares e sociais, que transita entre renúncias e audácias. Essa somatória de sentimentos antagônicos, em especial pela falta de aceitação por parte de família e da sociedade, fechará o triângulo com a aspiração à morte. São comuns as situações de grande tristeza, nas quais os sentimentos acabam por se sobrepor à razão, sendo que o coração passa a ser o ditador das normas de conduta.

 

Percebe-se muito claramente também que a obra é totalmente permeada por sentimentos opostos, pululando entre o bizarro e o banal, o ordinário e o apurado, o benevolente e o cúpido, o pulha e o decente, a tal ponto de passar ao leitor o sentimento de estabelecer no próprio leitor essa dualidade, através da ora repulsa ao romance ora a sedução por ele.

 

Ademais, José de Alencar é bastante detalhista. Expõe com riqueza de dados tanto a ambientação quanto os personagens. Quanto a esse ele inicia pelo aspecto externo, pelas aparências, para pouco a pouco ir despindo o personagem e enfim chegar  à sua essência.

 

Mas o aspecto mais peculiar da estória talvez seja o processo de purificação pelo qual Lúcia passa para finalmente voltar a ser Maria da Glória. A vida de cortesã, de mulher profana era como se fosse uma pena a ser cumprida pela perda da inocência da menina Maria da Glória.

 


Como referenciar este conteúdo

PAULA, Regina Marina de. Lucíola - José de Alencar. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 04 Mai. 2010. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/resenhas/literatura/160054-luciola-jose-de-alencar. Acesso em: 23 Nov. 2017
familia

112 modelos ncc-peq

direito-do-trabalho-modelos-inv