Breves Comentários Acerca do Direito, Linguagem e Comunicação | Portal Jurídico Investidura - Direito

Breves Comentários Acerca do Direito, Linguagem e Comunicação

                                                                         

 

 SINOPSE:  Este trabalho visa uma análise comparativa entre os elementos da comunicação e do direito principalmente com vistas à obtenção de justificativas acerca dos procedimentos, elementos e objetivos da atividade normativa.

 

 

SUMÁRIO:  Resumo; 1. Introdução; 2. A língua e a palavra; 3. A teoria da argumentação e a importância do processo comunicativo; 4. Conclusão

 

PALAVRAS-CHAVE:  Linguagem Jurídica. Elaboração Normativa. Teoria da Comunicação.

 

1.       INTRODUÇÃO

 

É cediço que o direito surge como uma atividade social, ou seja, necessariamente esta ciência volta-se para os reflexos externos das atuações humanas e seus impactos para os demais elementos e seres humanos que o circunscrevem.

 

Analisando a própria natureza intrínseca do ser humano pode-se observar que este a necessidade natural do homem em se agrupar e viver em sociedade. Segundo esta linha leciona a Professora REGINA TOLEDO DAMIÃO[i]:

 

“Já é sabido e, mesmo, consabido que o ser humano sofre compulsão natural, inelutável necessidade de se agrupar em sociedade, razão por que é denominado ens sociale.”

 

Há uma relação intrínseca entre o Direito e a Sociedade na qual a sua atuação tem por impacto os seus resultados na sociedade como um todo. Por isso é possível observar o desinteresse do legislador em situações de autolesão ou da tentativa de suicídio como tipos penais.

 

Por outro lado existem determinadas atitudes personalíssimas que não podem ser renegadas tendo em vista o impacto que tais atitudes gerariam no âmbito social, tais como, o consumo de substâncias interpocentes ou a renúncia de determinados direitos vinculados á personalidade.

 

Ou seja, as ações humanas que verdadeiramente importam à ciência jurídica dizem respeito aos reflexos que estas podem gerar à sociedade ou aos demais membros que o circunscrevem. Denota-se que a existência do Direito tem por objetivo a regulamentação dos atos que geram impactos aos membros da sociedade.

 

Com base nesta conclusão é possível observar um terceiro elemento integrante entre o Direito e a Sociedade. Para tanto temos que compreender a sociedade como entes comunicantes e o direito como a plataforma de comunicação que têm por objetivo precípuo a regulamentação das relações humanas.

 

Segundo DOMENICO TOSINI[ii] as organizações sociais devem ser compreendidas sob a ótica das redes de comunicação, ou seja, sem uma plataforma de comunicação não é possível encarar os membros que convivem conjuntamente como membros de uma organização social ou de uma sociedade.

 

A partir da teoria de NIKLAS LUHMANN extrai-se três elementos que tornam possível a compreensão dos sistemas sociais: (i) interação (diz respeito às relações entre os agentes comunicativos); (ii) organizações (consistentes em rede de decisões) e (iii) sociedades (sistema que inclui tudo o que é social).

 

Estes três elementos trazem à tona, através da teoria dos sistemas, que a sociedade é composta de microsistemas relativamente fechados e mantêm determinados graus de comunicação e impactos com os demais microsistemas sociais. Assim não há como dissociar a linguagem e a comunicação do direito, tendo em vista o caráter teleológico que esta disciplina carrega consigo.

 

Neste sentido o jusfilósofo MIGUEL REALE[iii] leciona acerca deste caráter indissociável:

 

“O Direito é, por conseguinte, um fato ou  fenômeno social; não existe senão na sociedade e não pode ser concebido fora dela. Uma das características da realidade jurídica é, como se vê, a sua socialidade, a sua qualidade de ser social.”

 

Como compreender a interação entre o sistema jurídico posto e a sua aplicação na sociedade? Uma das respostas plausíveis de explicação pode ser observada na semiótica, principalmente através de um de seus precursores Ferdinand de Saussure e sua análise diacrônica do processo comunicativo.

 

A aplicação dos conceitos de linguagem desenvolvidos por Ferdinand de Saussure expandiu conceitos nas mais diversas áreas do conhecimento, extrapolando sua configuração do campo lingüístico, visto a concepção sociológica que abarcam nesta teoria.

 

 

 

2.       A LÍNGUA E A PALAVRA

 

Através da teoria da linguagem de Saussure denota-se claramente a necessidade de se separar o social e o individual, fruto de uma perspectiva diacrônica, conforme mencionado acima.

 

Sob a perspectiva de WATERMAN[iv], tal teoria pode ser compreendida através de dois enfoques: (i) um herdado sistema social de signos arbitrários e (ii) a atividade social de uso do sistema exposto.

 

Ou seja, ao ser humano lhe é imediatamente imposto um conjunto de elementos, denominados de signos arbitrários, fruto de um desenvolvimento hereditário desenvolvido no âmbito de cada sistema social. Porém, através desta base estrutural lingüística, o ser humano no seu contexto social irá desenvolvê-la e, acima de tudo, aplicá-la de acordo com o seu prisma individual.

 

A fala promove a existência da linguagem como processo comunicativo, ou seja, a língua é um sistema abstrato que se manifesta através de um procedimento individual denominado “fala”.

 

Conforme as lições de COELHO NETTO[v], “a fala surge assim como um instrumento legitimador da existência da língua, que por sua vez autoriza a fala”.

 

Segundo o Professor TÉRCIO SAMPAIO FERRAZ Jr.[vi] a “abstração implica sempre em um aumento de complexidade no interior da própria língua, no sentido de que não podemos apenas falá-la mas, metalinguisticamente, falar sobre ela”

 

No contexto jurídico é possível denotar que os comandos da comunicação essencialmente jurídicos encontram-se nos mais diversos âmbitos dos ordenamentos jurídicos, podendo ser observados desde a Constituição Federal até uma circular ou uma resolução conferindo aplicabilidade ou regulamentação a um instituto previsto em lei.

 

A norma, inicialmente, é um sistema de regulamentação aparentemente hereditário e abstrato que é imposto fruto de uma experiência jurídica anterior e de suas relações intersubjetivas. É possível observar o grau de aproximação da estrutura da linguagem proposta pelo filósofo estruturalista e da estrutura normativa, cada qual nos seus respectivos âmbitos de observação e atuação.

 

Segundo ELDEMAN e SUCHMAN[vii], o direito apresenta-se como um modelo de uma vida organizacional, definindo normas para a organização dos “agentes” e significados dos eventos organizacionais. Isto significa que a partir do momento em que aos agentes são imputados ordenamentos jurídicos e normas de conduta, a estes cabe a adaptação destas com a presente realidade.

 

Justamente por ser um modelo de conduta coercitivo a ser adotado, a fala confere ao agente a capacidade de assimilar tal sistemática proposta e exteriorizá-la.

 

 

3.       A TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO E A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO COMUNICATIVO

 

A comunicação jurídica, principalmente com relação à elaboração e aplicação normativa consiste em um diálogo sinalagmático entre os agentes envolvidos nestes respectivos processos.

 

A linha comunicativa tradicionalmente conhecida consiste em uma linha de comunicação unilateral entre o emissor e receptor, denominada tecnicamente como direção semasiológica e onomasiológica, não pode ser concebida na sua integralidade no âmbito das relações jurídicas, tendo em vista a complexidade das linhas comunicativas.

 

Assim, a comunicação jurídica assume dois pólos de emissão e recepção simultâneos, resultando assim em um processo comunicativo na qual o receptor, ao assimilar a experiência exposta pelo emissor, posiciona-se nesta experiência como via de estabelecimento de seu particular ponto de vista[viii].

 

Este papel de assimilação do posicionamento realizado pelo emissor é denominado por TÉRCIO SAMPAIO FERRAZ Jr. como role-taking e este se apresenta como um elemento essencial para o transporte da norma abstrata ao mundo real.

 

Pode-se tomar como exemplo da natural manifestação deste fenômeno comunicacional as disciplinas processuais que são asseguradas pelo princípio da ampla defesa e do contraditório (artigo 5º, LV da Constituição Federal), exigindo para a aplicação normativa a realização desta comunicação emissor-receptor, que tem por base a formação da convicção e do entendimento do julgador.

 

Em que pese a participação do juiz como um componente de um dos pólos do triângulo processual, a comunicação gira em torno do emissor-receptor, variando de posições com o objetivo de atingir o mútuo-consentimento ou a consentimento final do Magistrado que determina o posicionamento final do órgão jurisdicional da lei abstrata com relação caso concreto.

 

4.       CONCLUSÃO

 

O direito constitui-se por ser uma ciência eminentemente comunicativa, ou seja, sem a existência de um procedimento comunicativo não é possível afirmar a manifestação da atividade jurídica.

 

Justamente através desta relação intrínseca que a comunicação mantêm com o direito, com base na teoria da comunicação introduzida por Ferdinand de Saussure, é possível analisar determinados elementos, e.g., língua e a fala, que possuem suas devidas correspondências com o mundo jurídico, demonstrando a correspondência da norma abstrata e da existência de determinados procedimentos individuais de aplicação desta norma de cunho abstrato a uma determinada situação real.

 

Este procedimento é baseado na teoria da argumentação nas quais os sujeitos da comunicação exercer alternativamente os papéis de emissores e receptores, tendo por objetivo final o mútuo entendimento ou o posicionamento final do poder jurisdicional.

 

Um aprofundamento do entendimento dos procedimentos da comunicação apresenta-se atualmente como uma solução aos diversos conflitos que circunscrevem a presente ciência.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ALENCAR, Claudiana Nogueira de. Identidade e Poder: Reflexões sobre a linguística crítica in Kanavillil Rajagopalan, Dina Maria Martins Ferreira (coord.). Políticas em Linguagem: perspectivas identitárias. São Paulo: Editora Mackenzie, 2006.

 

BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. Trad. de Izidoro Blikstein. 16. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

 

BOBBIO, Noberto. Il linguaggio del Diritto. Milano: Edizioni Universitarie di Lettere Economia Diritto, 1994. p. 95.

 

BITTAR, Eduardo Carlos Bianca. Linguagem Jurídica. São Paulo: Saraiva, 2001.

 

COELHO NETTO, J. Teixeira. Semiótica, Informação e Comunicação. 3. ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1980.

 

DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antônio. Curso de Português Jurídico 8. ed. São Paulo: Ed. Atlas, 2000. p. 17.

 

ELDEMAN, L. B.; SUCHMAN, M. C. The Legal Environments of Organizations. Anual Review of Sociology. v. 23, p. 479-515, 1997.

 

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Direito, Retórica e Comunicação: subsídios para uma pragmática do discurso jurídico. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. p. IX.

 

______. Teoria da norma jurídica. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

 

______. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão e dominação. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 

GARCIA, Othon. Comunicação em prosa moderna. 15. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1992.

 

NEVES, Marcelo. A constitucionalização simbólica. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

 

REALE, Miguel. Lições Premilinares de Direito. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

 

TOSINI, D. Re-conceptualizing Law and Politics: Contributions from System Theory. Contemporary Sociology. v. 35, n. 2, p. 123-125, mar. 2006.

 

WATERMAN, John T. Ferdinand de Saussure – Forerunner of Modern Structuralism. The Modern Language Journal. v. 40, n. 6, p. 307-309, out. 1956.

 

 

* Rodrigo de Abreu Rodrigues, Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Advogado Empresarial. Integrante do grupo de pesquisa “Desenvolvimento e Novas Tecnologias” vinculado ao programa de mestrado da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Exerceu monitoria de Linguagem Jurídica e Direito Civil sob orientação da  Professora Titular Regina Toledo Damião.



[i] DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antônio. Curso de Português Jurídico 8. ed. São Paulo: Ed. Atlas, 2000. p. 17

[ii] “According to Luhmann social systems have to be understood as (“operatively closed”, to use his expression) network og communications” (TOSINI, D. Re-conceptualizing Law and Politics: Contributions from System Theory. Contemporary Sociology. v. 35, n. 2, p. 123-125, mar. 2006.)

[iii]  REALE, Miguel. Lições Premilinares de Direito. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. p. 2

[iv]  WATERMAN, John T. Ferdinand de Saussure – Forerunner of Modern Structuralism. The Modern Language Journal. v. 40, n. 6, p. 307-309, out. 1956.

[v] COELHO NETTO, J. Teixeira. Semiótica, Informação e Comunicação. 3. ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1980 p. 17

[vi] FERRAZ Jr. Tércio Sampaio. Direito, Retórica e Comunicação. 2. ed. São Paulo: Ed. Saraiva, 1997. p. 6

[vii] ELDEMAN, L. B.; SUCHMAN, M. C. The Legal Environments of Organizations. Anual Review of Sociology. v. 23, p. 479-515, 1997.

[viii] FERRAZ Jr., Tércio Sampaio. Op. cit. p. 48


Como referenciar este conteúdo

RODRIGUES, Rodrigo de Abreu. Breves Comentários Acerca do Direito, Linguagem e Comunicação. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 02 Jan. 2010. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/hermeneutica/126975-breves-comentarios-acerca-do-direito-linguagem-e-comunicacao. Acesso em: 13 Nov. 2019

 

Receba nossos e-mails e infoprodutos jurídicos

 

 

ENVIE SEU ARTIGO