Dos Gabinetes - ?Interminável?: Silvio Dreveck diz que falta celeridade nas negociações da dívida do estado | Portal Juríd

Dos Gabinetes - ?Interminável?: Silvio Dreveck diz que falta celeridade nas negociações da dívida do estado


O líder do PP, deputado Silvio Dreveck, manifestou hoje sua preocupação com a lentidão da negociação da dívida do Estado. ?Essa dívida é interminável. Parece que vamos morrer sem ver o fim disso?, comentou com ironia depois de participar de reunião na Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa onde foi debatida a situação financeira de Santa Catarina, evento que teve a presença do secretário de Estado da Fazenda, Nelson Serpa. O que mais chamou a atenção foi a declaração do secretário de que de cada R$ 3,00 que o Governo paga, R$ 2,00 são para os encargos da dívida.
?O percentual da dívida é alto demais, e não corresponde às condições em que o débito foi contraído ? na época, a inflação estava em patamar mais elevado?, observou Silvio. Lembrou que quando assumiu a Prefeitura de São Bento do Sul (que comandou por dois mandatos) encontrou uma dívida com juro alto, tratou de renegociá-la, reduzindo significativamente o valor do débito.
Por outro lado, Silvio avaliou como positiva a intenção do Governo Federal de alterar o percentual do ICMS para os 27 estados (em princípio, seria de 4% na origem, e não na transação). Essa alteração seria benvinda, ainda que o ideal fosse uma ampla reforma tributária, na análise do parlamentar.

Assessoria de Imprensa da Bancada do PP/Jandyr Côrte Real/(48) 99 61 25 42


Fonte: AL/SC
Seção: Notícias
Categoria: MP/SC

Como referenciar este conteúdo

NOTíCIAS,. Dos Gabinetes - ?Interminável?: Silvio Dreveck diz que falta celeridade nas negociações da dívida do estado. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 03 Nov. 2012. Disponível em: investidura.com.br/noticias/343-mpsc/276999-dos-gabinetes---?interminavel?:-silvio-dreveck-diz-que-falta-celeridade-nas-negociacoes-da-divida-do-estado. Acesso em: 14 Jul. 2020

 

Receba nossos e-mails e infoprodutos jurídicos

 

 

ENVIE SEU ARTIGO