Pesquisa Mensal de Comércio – Fonte IBGE – Base: Julho de 2011 | Portal Jurídico Investidura - Direito

Pesquisa Mensal de Comércio – Fonte IBGE – Base: Julho de 2011

Em julho, vendas no varejo crescem 1,4% e receita nominal sobe 1,6%

Em julho, o comércio varejista do país registrou crescimento de 1,4% no volume de vendas em relação ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. Já a receita nominal cresceu 1,6%. Com isso, o setor completa três meses consecutivos de taxas positivas em volume de vendas e 16 meses seguidos em receita nominal.

Os outros índices, sem ajuste sazonal, apresentaram crescimento no volume de vendas de 7,1% sobre julho de 2010, 7,3% nos sete primeiros meses de 2011 e 8,5% nos últimos 12 meses. Para os mesmos indicadores, a receita nominal obteve crescimentos de 12,5%, 12,3% e 13,2%, respectivamente.

Entre as dez atividades, oito têm variação positiva

Na série com ajuste sazonal, oito das dez atividades obtiveram variações positivas em volume de vendas: Móveis e eletrodomésticos (4,1%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,6%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,1%); Livros, jornais, revistas e papelaria (1,1%); Veículos e motos, partes e peças (0,9%); Combustíveis e lubrificantes (0,8%); Material de construção (0,6%) e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,6%). As variações negativas ocorreram em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-12,5%) e Tecidos, vestuário e calçados (-2,9%).

Já na comparação com julho de 2010, todas as atividades cresceram: Móveis e eletrodomésticos (21,4%); Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (15,9%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (10,3%); Veículos e motos, partes e peças (8,8%); Material de construção (7,5%); Livros, jornais, revistas e papelaria (6,6%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (4,5%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (3,0%); Tecidos, vestuário e calçados (1,4%) e Combustíveis e lubrificantes (0,4%).

Móveis e eletrodomésticos, com aumento de 21,4% no volume de vendas em relação a julho do ano passado, foram responsáveis pela maior participação na taxa global do varejo (49%) e pela segunda maior influência na formação da taxa do varejo ampliado (27%). Em termos acumulados, as variações atingiram 18,3% no ano e 17,8% em 12 meses. Tal desempenho decorre do crescimento do emprego e do rendimento, da manutenção do crédito, bem como da queda dos preços dos produtos eletroeletrônicos (-7,0% nos últimos 12 meses até julho, segundo o IPCA).

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com variação de 4,5% no volume de vendas sobre julho do ano anterior, respondeu por 31% da taxa do varejo (segunda maior influência) e por 17% do resultado do varejo ampliado (terceiro maior impacto). Mesmo tendo elevado o seu ritmo de crescimento nos últimos meses, a atividade se mantém com desempenho abaixo da média, em função do comportamento dos preços dos alimentos, que cresceram acima da média no período de 12 meses: 8,3% no grupo alimentação no domicílio, contra 6,9% da inflação global, segundo o IPCA. Em termos de resultados acumulados, as taxas de variação se estabeleceram em 4,0% para o acumulado dos primeiros sete meses do ano e em 5,3% no dos últimos 12 meses.

Os 10,3% de crescimento no volume de vendas de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria levaram a atividade a responder pelo terceiro e quarto maiores impactos na formação dos resultados do varejo e do varejo ampliado, respectivamente. Com acréscimos da ordem de 10,6% no acumulado do ano e de 11,3% no acumulado dos últimos 12 meses, o segmento mantém em todas as comparações resultados acima da taxa global do varejo. Os principais fatores a contribuir para isto foram a manutenção do crescimento da massa real de salários, a ampliação da oferta de medicamentos genéricos (estimulando o consumo por alternativas mais vantajosas de preços) e a própria essencialidade dos produtos do gênero.

Varejo ampliado varia 0,6% no volume de vendas

O comércio varejista ampliado, que inclui o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, continua com resultados positivos, com variações sobre o mês anterior de 0,6% para o volume de vendas e de 1,0% para receita nominal de vendas, ambas as taxas com o ajuste sazonal. Nas demais comparações, o volume de vendas obteve acréscimos de 7,7% em relação julho de 2010, 9,0% no acumulado do ano e 10,5% no acumulado de 12 meses. Nestes mesmos indicadores, a receita nominal de vendas cresceu, respectivamente, 10,5%, 11,8% e 13,4%.

Veículos, motos, partes e peças registrou variação de 8,8% em relação a julho de 2010, 11,5% para o período de janeiro a julho e 13,7% no acumulado dos últimos 12 meses. Quanto a Material de Construção, as variações foram de 7,5% na comparação com julho do ano passado, 11,7% para os sete primeiros meses de 2011 e 13,3% no acumulado dos últimos 12 meses.

Na comparação com julho de 2010, resultado negativo apenas no Amapá

Das 27 unidades da federação, apenas o Amapá obteve resultado negativo, em julho, com queda de -2,7% no volume de vendas em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os destaques em termos de taxa de crescimento foram Tocantins (25,0%), Rondônia (18,0%), Bahia (10,7%), Paraíba (10,2%) e Pernambuco (10,1%). Quanto à participação na composição da taxa do comércio varejista, destacaram-se, pela ordem, São Paulo (6,9%), Rio de Janeiro (6,9%), Minas Gerais (7,9%), Bahia (10,7%) e Paraná (8,0%).

Em relação ao varejo ampliado, que teve também o Amapá como único resultado negativo, com -9,7% sobre julho de 2010, as maiores taxas de desempenho no volume de vendas ocorreram em Tocantins (30,7%), Espírito Santo (29,2%), Rondônia (13,9%), Santa Catarina (10,3%) e Minas Gerais (10,2%). Quanto ao impacto no resultado global do setor, os destaques foram os estados de São Paulo (7,0%), Rio de Janeiro (8,3%), Minas Gerais (10,2%), Espírito Santo (29,2%) e Paraná (10,1%).

Ainda por unidades da federação, os resultados sobre o mês anterior com ajuste sazonal, para o volume de vendas, foram positivos em 23 dos 27 estados, sendo destaques as taxas do Acre (5,2%), Roraima (4,0%), Rondônia (3,6%), Tocantins (3,4%) e Maranhão (3,3%). Os estados com queda no volume de vendas na mesma comparação foram Amapá (-7,7%), Alagoas (-1,1%), Amazonas (-0,8%) e Rio Grande do Sul (-0,3%).

Arquivos oficiais do governo estão disponíveis aos leitores.

* Ricardo Bergamini, Economista, formado em 1974 pela Faculdade Candido Mendes no Rio de Janeiro, com cursos de extensão em Engenharia Econômica pela UFRJ, no período de 1974/1976, e MBA Executivo em Finanças pelo IBMEC/RJ, no período de1988/1989. Membro da área internacional do Lloyds Bank (Rio de Janeiro e Citibank (Nova York e Rio de Janeiro). Exerceu diversos cargos executivos, na área financeira em empresas como Cosigua - Nuclebrás - Multifrabril - IESA Desde de 1996 reside em Florianópolis onde atua como consultor de empresas e palestrante, assessorando empresas da região sul.. Site: http://paginas.terra.com.br/noticias/ricardobergamini* Ricardo Bergamini, Economista, formado em 1974 pela Faculdade Candido Mendes no Rio de Janeiro, com cursos de extensão em Engenharia Econômica pela UFRJ, no período de 1974/1976, e MBA Executivo em Finanças pelo IBMEC/RJ, no período de1988/1989. Membro da área internacional do Lloyds Bank (Rio de Janeiro e Citibank (Nova York e Rio de Janeiro). Exerceu diversos cargos executivos, na área financeira em empresas como Cosigua - Nuclebrás - Multifrabril - IESA Desde de 1996 reside em Florianópolis onde atua como consultor de empresas e palestrante, assessorando empresas da região sul.

(48) 4105-0832

(48) 9976-6974

[email protected]

http://www.ricardobergamini.com.br

www.ricardobergamini.com.br/blog


Como referenciar este conteúdo

BERGAMINI2222, Ricardo. Pesquisa Mensal de Comércio – Fonte IBGE – Base: Julho de 2011. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 24 Set. 2011. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/economia/200327-pesquisa-mensal-de-comercio--fonte-ibge--base-julho-de-2011. Acesso em: 12 Ago. 2020

 

Receba nossos e-mails e infoprodutos jurídicos

 

 

ENVIE SEU ARTIGO