IPTU do Município de Contagem passou a ser cobrado, mas os contribuintes podem cancelar a cobrança

Roberto Rodrigues de Morais

Elaborado em 05/2017

Em dezembro de 2.016 a Câmara Municipal de Contagem aprovou o retorno da cobrança do IPTU para as residências com valor venal acima de R$140.000,00 (cento e quarenta mil Reais), através da Lei Complementar 214. Antes havia isenção do IPTU.

Contudo, a referida lei, com data 01 de janeiro de 2.017, data do exercício no qual é cobrado o tributo, faz referência à data de sua votação, ocorrida em 29 de dezembro de 2.016, sem respeitar os limites e proibições da Constituição Federal, que veda a criação ou aumento de tributo no mesmo exercício em que foi criado ou, ainda, aumento ou criação de impostos com prazo inferior a 90 dias antes da publicação da Lei. Ora, ainda que a cobrança do IPTU tenha ocorrido apenas em Maio, o fato gerador, que consiste em ser proprietário de imóvel, ocorre no primeiro dia do exercício fiscal, ou seja, 1o de Janeiro de 2.017, sendo, pois, inconstitucional a cobrança pretendida por Contagem.

A cobrança do IPTU no exercício de 2.017 fere o Princípio Constitucional da Anterioridade e também o Princípio Constitucional da Anterioridade Nonagesimal, descritos no artigo 150inciso IIIalíneas b e da Constituição Federal de 1.988, além de afrontar o artigo 152§ 1º, da Constituição do Estado de Minas Gerais.

Este assunto já foi apreciado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais em outra oportunidade, que entendeu ser ilegítimo o semelhante aumento promovido pelo Município de Ipatinga, decisão  confirmada pelo Supremo Tribunal Federal, em julgamento parcialmente colecionada a seguir:

Apelação Cível 1.0313.11.005814-3/001  

Relator(a)Des.(a) Oliveira Firmo 

Comarca de Origem Ipatinga 

Data de Julgamento 06/08/2013 

Data da publicação 09/08/2013 

EMENTA: 

APELAÇ’O CÍVEL - TRIBUTÁRIO - AÇÃO ANULATÓRIA - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - MUNICÍPIO DE IPATINGA - IPTU - PROGRESSIVIDADE FISCAL - LEI ANTERIOR À EMENDA CONSTITUCIONAL NO 29/2000 - INCONSTITUCIONALIDADE - SÚMULA No 668 DO STF - SELETIVIDADE - ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS - LEI QUE AUMENTA ALÍQUOTAS - PODER DE TRIBUTAR - LIMITAÇÃO - GARANTIA DA ESPERA NONAGESIMAL: INOBSERVÂNCIA - FATO GERADOR - LEI APLICÁVEL: INEXISTÊNCIA - HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA: JUÍZO DE EQUIDADE: FUNDAMENTAÇÃO. 

1. A progressividade fiscal do IPTU só é admitida se a lei foi editada na vigência da Emenda Constitucional no 29/2000 (STF, Súmula no 668). 

2. É legítima a adoção de alíquotas diferenciadas do IPTU, em função da diversidade normativa do próprio objeto tributado, segundo critérios legais relativos à sua localização e utilização. 

3. A eficácia da lei que aumenta alíquotas de IPTU submete-se às garantias constitucionais da anterioridade e da espera nonagesimal. 

4. Inexiste norma eficaz para constituir a relação tributária se, entre a publicação da lei que aumenta o imposto e a data de realização do fato gerador, não decorrem 90 (noventa) dias e a lei anterior foi expressamente revogada. 5. Há de ser fundamentado o juízo de equidade exercido na fixação de honorários por sucumbência, quando vencida a Fazenda Pública. 

(…) 

- A Lei Municipal 2257/06 adotando alíquotas diferenciadas, certamente ensejou o aumento do tributo. Editada em 28/12/2006, não pode prevalecer para o IPTU cobrado em 01/01/2007, sob pena de violação à garantia nonagesimal, motivo pelo qual no exercício de 2.007 somente pode ser cobrado o tributo na alíquota de 0.1%.

Portanto, sob tais fundamentos, os proprietários de imóveis, inquilinos e demais interessados podem (e devem) procurar seus direitos para obter decisão judicial que determine o cancelamento da cobrança enviada pelo Município de Contagem, ressaltando que apenas decisão judicial tem o poder de suspender e cancelar o lançamento tributário promovido pelo Município.

 

Roberto Rodrigues de Morais

 Especialista em Direito Tributário.

 Autor do Livro online REDUZA DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS.

 robertordemorais@gmail.com

 www.moraisemorais.com.br

 LINKEDIN: br.linkedin.com/pub/roberto-rodrigues-de-morais/5b/9a6/a2

 


Como referenciar este conteúdo

MORAIS, Roberto Rodrigues de. IPTU do Município de Contagem passou a ser cobrado, mas os contribuintes podem cancelar a cobrança. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 06 Mai. 2017. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-tributario/335704-iptu-do-municipio-de-contagem-passou-a-ser-cobrado-mas-os-contribuintes-podem-cancelar-a-cobranca. Acesso em: 22 Ago. 2017

112 modelos ncc-peq

peticoes-trabalhistas-2017-PEQ